Van Halen: 30 anos de “Diver Down”

Van Halen – Diver Down
Lançado em 14 de abril de 1982
(por Gabriel Ferreira)

O disco de covers do Van Halen. É assim que “Diver Down” ficou conhecido pelos fãs – o que não é de todo mal, já que das doze faixas, cinco são versões (muito boas por sinal). Por essa razão, o quinto álbum da banda por vezes acaba passando batido por muitos, o que não deixa de ser uma grande injustiça, pois ele não fica devendo em nada para os outros grandes clássicos da fase Roth.

A fase em que eles se encontravam era ótima, o Van Halen tinha o status de uma das melhores bandas do rock’n’roll. Apesar disso, a convivência entre os membros não andava das melhores desde 1981, quando a coisa já começou a esquentar entre David Lee Roth e Eddie Van Halen. “Diver Down” mostrou caras musicalmente entrosados, mas que se encontravam cada vez menos para escrever novas músicas. Prova disso é a quantidade de covers na obra.

Felizmente isso não alterou em nada o poder de fogo do conjunto. Os vocais de David Lee Roth estão ainda melhores, com ele alternando magistralmente os momentos mais agudos com os mais graves. O monstro Eddie Van Halen dispensa qualquer elogio. E quanto a dupla Michael Anthony e Alex Van Halen, só posso dizer que eles constituem uma das melhores cozinhas da história. Por isso mesmo, temos aqui mais um belo petardo.

“Where Have All The Good Times Gone!” é a abertura, uma releitura da música dos Kinks com a marca registrada do Van Halen. “Hang ‘Em High” é a primeira autoral e começa a toda velocidade. O clima festeiro é latente, maximizado pelo ótimo refrão melódico. “Intruder” é uma pequena introdução feita com sintetizadores para a próxima faixa, “(Oh) Pretty Woman”. Nas mãos de Eddie, seu riff principal virou coisa de outro mundo.

“Dancing In The Street” de Marvin Gaye é a cara dos anos 80, e “Little Guitars” é clássica. Jan Van Halen, o pai da dupla, toca clarinete na agradável “Big Bad Bill (Is Sweet William Now)”, original de Margaret Young e coverizada por muita gente. “The Full Bug” é frenética, e a teatral “Happy Trails” possui um ótimo clima descompromissado.

Depois desse viria o altamente modernoso “1984”, que botou um ponto final na fase Roth (isso até 2012…). Mas tanto esse quanto seu sucessor são ótimos discos. Discografia básica para quem está procurando por um som divertido e altamente viciante. Aliás, quase tudo que esses caras fizeram tem essas características. E é por isso que eles têm a gigantesca legião de fãs atualmente.

David Lee Roth (vocal, sintetizador em 5, violão e gaita em 11)
Eddie Van Halen (guitarra, violão, teclados)
Michael Anthony (baixo)
Alex Van Halen (bateria)

Músico adicional:
Jan Van Halen (clarinete)

01. Where Have All The Good Times Gone!
02. Hang ‘Em High
03. Cathedral
04. Secrets
05. Intruder
06. (Oh) Pretty Woman
07. Dancing in the Street
08. Little Guitars (Intro)
09. Little Guitars
10. Big Bad Bill (Is Sweet William Now)
11. The Full Bug
12. Happy Trails

Esse post foi publicado em * Resenha e marcado por Igor Miranda. Guardar link permanente.

Sobre Igor Miranda

http://www.vandohalen.com.br/