Jimi Hendrix e Joey Ramone são os novos homenageados pela Funko

hendrix ramone

A Funko anunciou os próximos rockstars a serem transformados em bonecos. Jimi Hendrix e Joey Ramone estarão disponíveis a partir de junho. Anteriormente, a companhia já havia lançado miniaturas de KISS, Lemmy, Guns N’ Roses The Beatles e Elvis Presley, entre outros.

The Ramones: 40 anos de Leave Home

ramones leave

(lançado em 10 de janeiro de 1977)

Com apenas um disco, o Ramones escreveu seu nome na história do Rock, gostem os detratores ou não. Sim, a banda nunca fez o mesmo sucesso de alguns dos seus pares. Não é algo longe da verdade dizer que eles acabaram angariando maior respeito do público em geral após seu fim – ainda mais depois que toda a formação original se reuniu do outro lado da vida. Porém, se tornou reconhecida de forma irrevogável junto a todas as gerações posteriores. Não foram poucos que viveram suas primeiras experiências em algum instrumento guiados pelo minimalismo do quarteto. Mesmo com maior liberdade e orçamento, o quarteto decidiu não fugir da fórmula em seu segundo álbum. Quem foi atrás de Leave Home esperando ouvir algum tipo de evolução sonora, quebrou a cara. Porém, a diversão e a capacidade de fazer mais com menos estavam intactas. Em 31 minutos, Joey, Johnny, Dee Dee e Tommy se reafirmaram e prosseguiram a saga de resgatar o que havia de mais básico e eficiente no estilo.

O tracklist teve mudanças graças à exclusão de “Carbona Not Glue”, para evitar problemas com direitos sobre a marca de removedor de manchas. Na Inglaterra, ela foi substituída por “Babysitter”, enquanto “Sheena Is A Punk Rocker” assumiu o lugar no tracklist americano – ela voltaria a aparecer no disco seguinte, Rocket To Russia. Os grandes sucessos ficaram por conta de “Gimme Gimme Shock Treatment”, “Oh Oh I Love Her So”, “Suzy Is a Headbanger”, “Commando”, “You’re Gonna Kill That Girl” e “Pinhead”, que eternizou o coro “Gabba, Gabba, Hey!”, que virou um eterno clichê, como várias coisas divertidas do mundo roqueiro. O cover da vez foi para “California Sun”, de Joe Jones. Apesar de um discreto número 148 na parada da Billboard, Leave Home manteve a roda ramônica girando e mostrando que não há substituto para um riff bem encaixado e uma melodia chiclete.

Joey Ramone (vocais)
Johnny Ramone (guitarra)
Dee Dee Ramone (baixo)
Tommy Ramone (bateria)

01. Glad To See You Go
02. Gimme Gimme Shock Treatment
03. I Remember You
04. Oh, Oh, I Love Her So
05. Carbona Not Glue
06. Suzy Is A Headbanger
07. Pinhead
08. Now I Wanna Be A Good Boy
09. Swallow My Pride
10. What’s Your Game
11. California Sun
12. Commando
13. You’re Gonna Kill That Girl
14. You Should Never Have Opened That Door

ramones leave

Rua Ramones será inaugurada dia 23 de outubro

Rua Ramones

O Queens, um dos cinco distritos que formam a cidade de Nova York, passará a ter a Ramones Way. A cerimônia de inauguração acontece no dia 23 de outubro. O local fica no cruzamento entre a avenida 67 e a rua 110, em frente à Forest Hills High School. Joey, Johnny, Dee Dee e Tommy, os quatro membros da formação original, frequentaram a instituição na adolescência. Outros nomes famosos que estudaram no local são Leslie West (Mountain), Paul Simon e Art Garfunkel. Há alguns anos, Manhattan já conta com a Joey Ramone Place.

Livro com fotos inéditas dos Ramones sai em maio

ramones

My Ramones, livro de Danny Fields, primeiro manager da banda, será lançado no mês de maio. A obra conta com fotos inéditas do quarteto original, registradas entre 1975 e 1977. Todas contam com notas de rodapé escritas pelo empresário. Uma edição limitada, em capa dura, será disponibilizada aos primeiros compradores. A editora é a First Third Books.

Richie relembra passagem pelo Ramones e como sua vida mudou

richie

O baterista Richard Reinhardt lembrou à Metal Express Radio como se tornou Richie Ramone. “Um dia, estava com meu amigo Little Matt, que era roadie. Então, ele me disse que precisava ir embora, pois os Ramones estavam testando bateristas. Pedi que incluísse meu nome. Na semana seguinte, recebi uma ligação de Monte, o tour manager. Fui até eles e fiz a audição, como todos os outros candidatos. Estava no lugar certo e na hora certa. Ter feito parte dessa incrível banda mudou minha vida”, disse o músico, que ficou no grupo entre 1983 e 1987.

“Que Deus me mate agora se há alguma mentira no meu livro”

marky

Falando ao Songfacts sobre sua biografia, Punk Rock Blitzkrieg: My Life As A Ramone, Marky Ramone garantiu que tudo que foi para o papel é verdade. “Gravei nove álbuns de estúdio, cinco ao vivo, participei de um filme com o Ramones. Há muita coisa pesada no livro. Nada é mentira. Que Deus me mate agora se tudo ali não for verdade”.

The Ramones: 20 anos de Adiós Amigos!

ramones

(lançado em 18 de julho de 1995)

Em uma época onde despedidas de bandas se tornou algo banal e mentiroso, é importante lembrar o caso dos Ramones. É claro que, se ao menos dois dos quatro falecidos estivessem vivos ainda, seria muito plausível considerar a possibilidade de uma reunião. Mas, como a vida não é feita de suposições e especulações, o fato é que o fim do grupo foi definitivo. É o típico caso em que o destino se encarregou de proteger um legado e sua mística, algo que aconteceu com pouquíssimos artistas, que poderiam ser contados nos dedos de uma mão. E o seu último álbum de estúdio teve um nome apropriado para a situação. Em comum acordo, chegou-se à conclusão de que era hora de dizer adeus aos amigos.

Um trunfo do disco está no uso de composições daquele que Marky já definiu como o Ramone por excelência. Dee Dee se faz presente na autoria de 6 das 13 faixas, sendo duas regravações do álbum I Hate Freaks Like You e uma de sua carreira no Rap, quando usava a alcunha Dee Dee King. Ele também participa cantando no encerramento do tracklist normal, em “Born To Die In Berlin”, em alemão e pelo telefone. Outros destaques ficam por conta de dois covers. “I Don’t Want To Grow Up”, de Tom Waits, ficou totalmente a cara da banda e entrou no chart Modern Rock, da Billboard, na 30ª posição. O outro é uma homenagem a um contemporâneo, na versão para “I Love You”, de Johnny Thunders.

Apesar de nunca ter conquistado o mesmo respeito junto aos fãs, CJ Ramone mostrou que era mais do que uma peça que completava a formação. O baixista assumiu vocais em quatro canções, três delas escritas por Dee Dee – em parceria com o produtor Daniel Rey – e uma própria. Já Joey respondia pelo lado mais Pop (no bom sentido da palavra) em “Life’s A Gas” e na controversa “She Talks To Rainbows”, que soa sombria sem perder a acessibilidade. Marky contribuiu com “Have A Nice Day” e sempre deixou claro seu descontentamento com a maneira que o vocalista a interpretou, o acusando de mostrar total desinteresse no que não era composto por ele, o que também explicaria o avançado número de faixas em que CJ assumiu o microfone.

Se o single foi muito bem, o disco nem tanto. Adiós Amigos! chegou apenas ao número 148 do Top 200 nos Estados Unidos. Após o lançamento, os Ramones partiram para sua turnê de despedida. O quarteto tocou no então emergente festival itinerante Lollapalooza e encerraram a carreira de vez no dia 6 de agosto de 1996, no The Palace, em Hollywood. O show contou com participações de Lemmy Kilmister, Eddie Veder, Chris Cornell, Tim Armstrong e Lars Frederiksen, além de Dee Dee. A apresentação foi lançada posteriormente em áudio e vídeo, com o título We’re Outta Here! Hoje temos a formação original reunida. Todos do outro lado da vida.

Joey Ramone (vocais)
Johnny Ramone (guitarra)
CJ Ramone (baixo, vocais)
Marky Ramone (bateria)

01. I Don’t Want To Grow Up
02. Makin’ Monsters For My Friends
03. It’s Not For Me To Know
04. The Crusher
05. Life’s A Gas
06. Take The Pain Away
07. I Love You
08. Cretin Family
09. Have A Nice Day
10. Scattergun
11. Got A Lot To Say
12. She Talks To Rainbow
13. Born To Die In Berlin

ramones

The Ramones: 35 anos de End Of The Century

Ramones-End_Of_The_Century-Frontal

(lançado em 4 de fevereiro de 1980)

Em alguns momentos da vida, devemos realmente nos questionar sobre o que fazer: agradar os outros ou a nós mesmos? Após lançar os álbuns definitivos de sua carreira, os Ramones – em especial Joey – decidiram seguir o segundo caminho. Para tal, chamaram o produtor Phil Spector e registraram algo fora dos padrões para sua então curta história. Lógico que nem tudo era diferente, até porque é difícil mudar a natureza do ser humano. Ainda assim, alguns elementos de produção mostravam que End Of The Century não seguiria uma lógica em comparação a seus antecessores. A começar pelo orçamento, que ultrapassou os duzentos mil dólares, algo inimaginável para quem era vagabundo de rua poucos anos antes.

Musicalmente, era óbvio que Spector influenciaria de maneira polemica, acrescentando elementos estranhos para quem estava acostumado a ouvir um Rock And Roll básico e direto. Isso fica claro desde a abertura, com “Do You Remember Rock And Roll Radio?”, que acabaria se tornando o grande sucesso e um precursor do Punk Rock orquestrado (!!!). Mas a virilidade já conhecida seria mantida em sons como a ótima “Chinese Rock”, “Let’s Go” e “All The Way”. O cover para “Baby, I Love You”, do produtor, mostra o outro lado da empreitada, mergulhando de cabeça no Pop sessentista, com arranjo grandioso e elementos um tanto quanto estranhos para o cotidiano ramônico.

Clássicos como “Judy Is A Punk” e “Havana Affair” ainda ganharam continuações, facilmente identificáveis pelos seus títulos. A versão retrabalhada de “Rock And Roll High School” ficou inferior à original, ressalte-se. Como já era esperado, End Of The Century não teve grande repercussão comercial à época do lançamento. Os experimentos assustaram os radicais e um novo público não foi atraído. Hoje, é um trabalho que divide opiniões entre os fãs. Digamos que, com o tempo, muitos abriram a mente e outros aprenderam a reconhecer a importância de fugir do básico na vida. Joey ficou feliz, e isso é o que importa – embora esse tenha sido o início do fim de várias relações dentro da banda.

Joey Ramone (vocais)
Johnny Ramone (guitarra)
Dee Dee Ramone (baixo)
Marky Ramone (bateria)

01. Do You Remember Rock And Roll Radio?
02. I’m Affected
03. Danny Says
04. Chinese Rock
05. The Return Of Jackie And Judy
06. Let’s Go
07. Baby, I Love You
08. I Can’t Make It On Time
09. This Ain’t Havana
10. Rock And Roll High School
11. All The Way
12. High Risk Insurance

ramones

Guitarra de Johnny Ramone vendida por 185 mil em leilão

guitarrajohnnyramone

Uma das nove guitarras Mosrite usadas por Johnny Ramone durante sua carreira foi arrematada em um leilão na última quinta-feira. O comprador desembolsou cerca de 185 mil reais pelo instrumento, que estava em posse de um colecionador, após ter sido adquirido pelo antigo motorista da banda, Gene Frawley. A peça foi autografada pelo guitarrista nos anos 1990.

“Ramones é uma banda para jovens”

marky-ramone

Em entrevista ao Classic Rock Revisited, Marky Ramone falou sobre o que ele entende que atrai as novas gerações aos Ramones. “Honestamente, acho que éramos uma banda com apelo entre pessoas jovens. Projetávamos muita energia nos discos e ao vivo. Há toda uma nova geração que deseja ouvir grupos que não se valem de tecnologias, não soam computadorizadas. Esses éramos nós. Não havia truques em nossos shows”.

Wikimetal entrevista: Marky Ramone

markyramone

Esta semana o Wikimetal traz um episódio especial. O guitarrista do Viper, Felipe Machado, apresenta o programa com Daniel Dystyler, enquanto Gastão Moreira entrevista Marky Ramone. O músico falou sobre as mudanças no grupo Blitzkrieg e trouxe curiosidades de sua carreira, como qual Ramone ele sente mais falta atualmente, a importância que a banda tem até hoje e como ele se sente tendo feito parte dos Simpsons.

No Orgulho Nacional Rafael Masini conversou com o vocalista da banda de Brasília, Phrenesy, que já tem mais de 10 anos de carreira, sobre a cena do Rock na capital.

E esta semana promoção está simplesmente imperdível. Em uma ENORME promoção de Natal em parceria com a Warner Music, o Wikimetal vai presentear um WikiBrother com um pacote de Natal com os álbuns: “World on Fire” do Slash, “.5: The Gray Chapter” do Slipknot, a coletânea com discos duplos do Led Zeppelin I, II, III e IV, “In Concert ‘72” do Deep Purple , “Crossroads Guitar Festival” (álbum duplo) do Eric Clapton, o tributo a Ronnie James Dio “Dio: This is Your Life”, a coletânea da Roadrunner “XXX: Three Decades of Roadrunner” (4 álbuns), “Aftershock” do Motorhead, “Pale Communion” do Opeth, “Lullaby and…The Ceaseless Roar” do Robert Plant, “The Hunting Party” do Linkin Park, “Royal Blood” do Royal Blood e Mastodon com “Once More Round The Sun”.

O Wikimetal edição 206 pode ser conferido aqui.

Guitarrista do Skid Row fala sobre amizade com Joey Ramone

snake-sabo

O guitarrista Dave “Snake” Sabo falou ao SpazioRock.it sobre a influência dos Ramones no Skid Row. “Minha formação foi no Punk Rock. Eles nunca chegaram a ser a maior banda do mundo. Mas para nós, que crescemos em Nova York e Nova Jérsei, era como se fossem. Os assisti ao vivo mais que qualquer outra banda. Com o tempo, nos tornamos amigos. Conversava com Joey várias vezes ao ano. Ele sempre me colocava nas listas de convidados dos shows. Após regravarmos ‘Psycho Therapy’, ele sempre a dedicava a mim. Soubemos que eles gostaram do que fizemos. Tenho até hoje um poster onde Joey escreveu ‘great fucking version’”.