Show de Krisiun e Nervochaos em Bangladesh cancelados por bandas serem “satânicas”

krisiun nervochaos

As bandas brasileiras Krisiun e Nervochaos tiveram suas entradas em Bangladesh proibidas por serem consideradas satânicas pelas autoridades locais. Os grupos ficaram retidos no aeroporto. Obviamente, o show foi cancelado.

Resenha: Black Sabbath em Porto Alegre (28/11/2016)

black sabbath

Texto e fotos: Daiane Costa e Day Montenegro

Na última segunda-feira, dia 28 de novembro, o Black Sabbath realizou o primeiro show no Brasil da turnê de encerramento das atividades. Desembarcando da Argentina, as lendas do heavy metal Ozzy Osbourne, o baixista Geezer Butler e o guitarrista Tony Iommi tocaram ao lado do baterista Tommy Clufetos (36 anos) – músico da banda de Ozzy que está com o Sabbath desde 2012 (substituindo Bill Ward). A turnê The End passou por Porto Alegre em clima de despedida – após mais de 40 anos de história, marcando a noite do público notavelmente mais maduro, com um rápido show de aproximadamente 1h30 de duração. Já os responsáveis por animar a galera durante o pôr do sol na capital dos gaúchos foram as bandas de abertura: Krisiun e Rival Sons.

krisiun

Pontualmente, a noite de apresentações no estacionamento da FIERGS iniciou às 19h30min com a banda de death metal Krisiun – do Rio Grande do Sul. O trio representou um orgulho imenso para os admiradores que já se concentravam cedo no local para prestigiar Alex Camargo (baixo/vocal), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria). O repertório incluiu músicas do mais recente registro fonográfico, “Forged In Fury” (2015).

Às 20h, Rival Sons surgiu com seus integrantes cheios de estilo no visual, talvez nos fazendo reviver outras épocas do rock mais clássico com uma pegada setentista. O grupo norte-americano de Long Beach, Califórnia, foi formado em 2009. Os caras atingiram uma popularidade incrível e foram convidados para acompanhar as datas da turnê de despedida The End do Sabbath não somente na América Latina, mas também por toda a Europa e América do Norte.

rival sons

Rival Sons subiu ao palco com a já conhecida trilha The Good, The Bad and The Ugly, de Ennio Morricone. Podemos dizer que desde o lançamento de seu álbum de estreia, “Before The Fire”, Rival Sons ressuscitou o rock’n’roll carregado de groove e fuzz que havia sido deixado de lado nos anos 70. O som dançante, infelizmente, não agradou a todos os 18 mil presentes – cerca de ⅓ da capacidade de lotação. Muitos esperavam impacientes (e ranzinzas) a despedida das lendas do Black Sabbath. Mesmo assim, os vocais rasgados de Jay Buchanan – cuja técnica é impecável, não atrapalhou a noite de Heavy Metal e sim transpirou blues e soul que embalaram a noite dos fãs que se concentravam em torno do palco e cantavam os refrões marcantes da banda mais recente. O curto set list contemplou as conhecidas “Electric Man”, “Keep On Swinging” e “Pressure and Time”, entre outras canções.

Às 21h30min, o Black Sabbath subiu ao palco com a música homônima, levando os porto-alegrenses extasiados ao delírio, naquela última oportunidade de assistir ao grupo. Até o repertório foi contemplado os quatro primeiros álbuns. Black Sabbath celebrou seu passado sombrio e escolheu começar pelo princípio de sua própria história, com performance e letra que leva a uma alusão do final iminente para a chegada do diabo. O sorriso de Ozzy (às vezes malévolo) também esboçava traços de realização! E não demorou muito para que o madman de 67 anos encharcasse a cabeça com água como de costume, conduzindo toda a energia aos headbangers e mostrando todo o fôlego que ainda leva aos palcos.

black sabbath

A banda se vestia e se portava como se estivesse nos anos 1970. Ozzy pouco saiu do lugar, atento às letras das músicas que rolavam na telinha, mas interagiu bastante com o público, entonando por muitas vezes sua discreta frase “God bless you!”. Podemos destacar também o incrível solo de quase 10 minutos do baterista, e toda a nostalgia em torno dos solos de guitarra de Tony Iommi, na melhor idade dos caras. O set list teve ainda Fairies Wear Boots, After Forever, Into the Void, Snowblind, War Pigs, Behind the Wall of Sleep, N.I.B., Rat Salad, Iron Man, Dirty Women e Children of the Grave, com Paranoid no bis.

A turnê que teve início em janeiro deste ano nos EUA encerra no dia 4 de fevereiro de 2017, em Birmingham (Inglaterra) – cidade onde a banda se formou. A despedida tem a maior produção já feita pelo grupo – e até o momento já soma mais de 80 shows pelo mundo. Nesta sexta-feira, os mestres se apresentam ainda no Rio de Janeiro (RJ) e depois seguem para São Paulo (SP).

Set list Black Sabbath:
Black Sabbath
Faires Wear Boots
After Forever
Into The Void
Snowblind
War Pigs
Behind the Wall of Sleep
N.I.B
Rat Salad ( solo de guitarra e bateria)
Iron Man
Dirty Women
Children Of The Grave
Paranoid

Set list Rival Sons:
The Good, the Bad and the Ugly (Ennio Morricone)
Electric Man
Secret
Pressure and Time
Hollow Bones Pt. 1
Torture
Fade Out
Baby Boy
Open My Eyes
Keep On Swinging

Reviews rápidos

bastard

The Bastard Sons – Smoke

Banda inglesa que pratica um Heavy Rock de primeira, misturando influências diversas com um toque moderno na produção. O vocalista JJ mostra versatilidade, alternando seu registro de forma competente, na linha de Björn ‘Speed’ Strid (Soilwork) enquanto os guitarristas Alex e Ollie capricham nos riffs e melodias. Destaque para as músicas “The Bastard”, “A Lie Is A Lie”, “I’m Only A Call Away” e o encerramento, com “Exist-Distance”. Há até espaço para uma viagem estilo Pink Floyd dos primórdios em “Stay True”, com participação de Davey Richmond, vocalista do Glamour Of The Kill. Para um primeiro full-lenght, o grupo demonstra muitas qualidades. Seguindo em uma linha evolutiva constante, terão muito a oferecer.

Nota 7

udo

U.D.O. – Navy Metal Night

A ideia é, no mínimo, curiosa. Udo Dirkschneider e seus comandados se juntaram à banda da marinha alemã para reinterpretar clássicos do U.D.O. – exatamente, sem Accept no tracklist, adiantando o que vai virar rotina após a próxima turnê, onde o sobrenome substituirá a alcunha da banda. Os resultados ficam interessantes e o clima ao vivo colabora. Porém, é o tipo de situação em que se ouve o disco uma, duas vezes, e na terceira perde o gosto de novidade. Mesmo assim, há bons momentos e o baixinho consegue adaptar o tom do registro vocal à realidade de seus 63 anos. Para quem é fã incondicional, vale a pena. O trabalho também está saindo em vídeo.

Nota 6

krisiun

Krisiun – Forged In Fury

Acompanhar a trajetória dos irmãos Kolesne para quem está em uma cidade vizinha de onde eles surgiram é inspirador. O trio chega a seu décimo álbum com a força que nenhuma banda de Heavy Metal brasileira chegou. Novamente com a produção de Erik Rutan, o grupo expõe toda sua força em mais uma obra superior do Death Metal. E o principal, soando agressivo de forma límpida, acrescentando técnica cada vez mais bem vinda. Destaques para “Ways Of Barbarism”, “Strength Forged In Fury”, “Soulless Impaler” e a primorosa “Oracle Of The Ungod”. O Krisiun justifica cada vez mais sua posição como a banda brasileira que faz a carreira mais retilínea em termos de qualidade.

Nota 8

soulfly

Soufly – Archangel

Após um começo totalmente experimental, Max havia retomado as raízes Death/Thrash no ótimo álbum Enslaved. Hoje, o Soulfly está em um meio termo. De um lado, porradas certeiras, como “We Sold Our Souls To Metal” – o momento Manowar da vida do Cavalera –, “Deceiver” ou a dobradinha de saideira, com “Deceiver” e “Mother Of Dragons”, que reúne parte da família. Do outro, espaço para flertes com algo que pode soar esquisito para headbangers ortodoxos, na passagem entre a faixa-título e “Sodomites” (que é uma pancada das boas), “Shamash” ou “Bethlehem’s Blood”, emprestando uma sensação quase exótica ao lado mais agressivo. Mas a qualidade está sempre presente e acaba deixando o resultado positivo.

Nota 8

Nova música do Krisiun

“Ways Of Barbarism”, do álbum Forged In Fury.

Krisiun libera faixa do novo álbum

krisiun

“Scars Of The Hatred” está em Forged In Fury. O lançamento oficial acontece no dia 7 de agosto.

Capa do novo álbum do Krisiun

krisiun

Forged In Fury, nono full-lenght da banda brasileira, sai no dia 7 de agosto, via Century Media Records.

Cavalera Conspiracy, Krisiun e Confronto fazem show conjunto no Rio

cavalerakrisiun

Após confirmar apresentação em São Paulo, com o Korzus, Cavalera Conspiracy e Krisiun também anunciaram uma data para o Rio de Janeiro. O show acontece dia 11 de setembro, no Circo Voador, tendo o Confronto como atração de abertura. Ingressos já estão à venda no local e em postos autorizados. O evento começa às 19 horas.

Cavalera Conspiracy, Krisiun e Korzus se reúnem em festival

metalmanifest

A Top Link Music e a Manifesto Produções confirmaram para 12 de setembro, no HSBC Brasil, em São Paulo, a realização do primeiro Metal Manifest. As atrações já confirmadas são Cavalera Conspiracy, Krisiun e Korzus. Mais detalhes no cartaz acima.

Destruction e Krisiun reeditam parceria do Rock In Rio em turnê norte-americana

destructionkrisiun

O Destruction anunciou uma nova série de shows pela América do Norte entre os meses de março e abril. Os alemães serão acompanhados pelos brasileiros do Krisiun, além de Widow e Exmortus, que se revezarão na abertura. As datas podem ser vistas no cartaz.

Setlist do Destruction e Krisiun no Rock In Rio

destruction-krisium-620