Morre Tommy Allsup, guitarrista de Buddy Holly que escapou de tragédia no cara-ou-coroa

tommy allsup

Morreu aos 85 anos o guitarrista Tommy Allsup. Ele acompanhou Buddy Holly como músico de turnê até a tragédia que o matou, em 3 de fevereiro de 1959. Aliás, ele só não embarcou no mesmo helicóptero após perder o último lugar para Richie Valens em uma disputa de cara-ou-coroa. A queda do veículo também matou o DJ Big Bopper. Desde então, a data é conhecida como “O dia em que a música morreu”. Posteriormente, Allsup ainda trabalhou com Roy Orbison e Willie Nelson, entre outros, tendo participado de mais de 6 mil sessões de gravação. Desde 1979, estabeleceu residência em Dallas, onde criou o Tommy’s Heads Up Saloon.

Cabeçote: Os 30 anos da 1ª cerimônia do Rock And Roll Hall Of Fame

Ainda está longe a cerimônia de indução do Rock And Roll Hall Of Fame deste ano – será no dia 8 de abril, com homenagens a Cheap Trick, Chicago, Deep Purple, N.W.A. e Steve Miller. No entanto, no dia 23 do mês passado, completou-se 30 anos do primeiro evento da instituição, no Waldorf-Astoria’s Grand Ballroom de Nova Iorque.

O Rock And Roll Hall Of Fame tem ganhado ares controversos nos últimos anos por ter ignorado bandas consolidadas e importantes no rock e homenageado artistas de outros estilos, como Madonna e Run DMC. O erro tem sido consertado com as recentes nomeações de Rush, KISS e Deep Purple, entre outros.

No entanto, vale destacar que os primeiros artistas induzidos foram muito bem escolhidos. A ideia era homenagear os responsáveis por criar o estilo como conhecemos. Para isso, não só roqueiros foram listados, como também nomes do rockabilly, R&B, blues, country e gospel. Veja abaixo quais foram os induzidos e entenda a importância de cada um na invenção do rock:

Chuck Berry: é muito difícil cravar quem realmente criou o formato mais utilizado no rock, pois, como em todo movimento artístico, houve um processo de colaboração inconsciente que creditou o feito a inúmeras pessoas. No entanto, se fosse exigido nomear apenas uma pessoa pelo feito, não seria injusto escolher Chuck Berry. O músico desenvolveu uma versão mais “suja” e ainda mais dançante do R&B, com forte influência do blues, além de desenvolver uma persona típica de estrela do rock.

Little Richard: outro nome muito forte na criação do rock and roll, Litlte Richard tinha grande influência da música gospel em seu trabalho. Cresceu ouvindo cantores do estilo em igrejas dos Estados Unidos e, não por acaso, trouxe muito do gênero para suas canções. Agregou, também, elementos do R&B à sua sonoridade, que era, ao mesmo tempo, dançante e agressiva.

Elvis Presley: ele não é chamado de Rei do Rock à toa. Elvis Presley ajudou a desenhar o rock em seu todo – não apenas na música, com sua voz grave, como também em comportamento. Elvis era rock and roll na dança, no visual e na forma de se portar em público. Trouxe elementos do country ao estilo e, involuntariamente, deu início também ao rockabilly, um dos primeiros subgêneros do rock.

Buddy Holly: apesar de ter tido pouquíssimo tempo para mostrar sua importância – morreu aos 22 anos, em um acidente aéreo –, Buddy Holly fez o suficiente para se tornar um dos nomes mais importantes do rock. Influenciado pelo gospel, R&B e country, Holly estabeleceu o formato de guitarra-baixo-bateria e criou padrões melódicos diferentes daqueles que estavam sendo reproduzidos pelos demais músicos da época.

Jerry Lee Lewis: mais um rebelde do gospel que trouxe um pouco da música religiosa para o rock. Pianista talentoso, também agregou o boogie oogie ao seu som e o resultado, além de dançante, era enérgico. Transitava com tanta maestria entre rock e country que também lançou diversos trabalhos no segundo gênero.

James Brown: considerado o fundador do funk e chamado de “padrinho do soul”, James Brown tinha rock pulsando em suas veias, mesmo estando ligado a outras ramificações musicais. As influências R&B, aliadas à sua postura de ícone da contracultura, ligam Brown a esse universo de forma tão forte que, ao longo das décadas, atrações misturaram soul e funk ao rock de forma natural – e, em algum momento, soaram como ele.

Ray Charles: um dos grandes nomes do R&B também era, autenticamente, roqueiro. Foi responsável por agregar elementos do gospel ao rhythm and blues e influenciou boa parte dos nomes listados acima.

Sam Cooke: o rei da soul music influenciou o rock, de forma indireta, ao trazer melodia ao estilo. As primeiras “baladinhas” roqueiras têm a pegada de Cooke, em instrumental e, especialmente, vocais.

Fats Domino: o R&B típico e bem sequenciado de Fats Domino foi responsável por lotear o terreno onde seria construído o rock and roll. Muitas das construções utilizadas pelos grandes nomes do estilo já eram vistas nas canções lançadas pelo Fat Man.

The Everly Brothers: o trabalho dos irmãos Everly passou a ter forte conexão com o rock especialmente a partir do momento em que os artistas da década de 1960, como Beatles e Rolling Stones, passaram a utilizar elementos de sua sonoridade, baseada no country e no rockabilly. Foram importantes na massificação do gênero.

Observação: Jimmie Rodgers, Jimmy Yancey e Robert Johnson foram homenageados na categoria “Early influences”, Alan Freed e Sam Phillips em “Non-performers” e John Hammond em “Lifetime achievement”.

Assista a uma playlist de vídeos com apresentações e induções da primeira cerimônia de indução do Rock And Roll Hall Of Fame:

Igor Miranda é jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e “fundador afastado” do site Van do Halen. Atualmente, é redator-chefe do site Cifras e repórter do jornal Correio de Uberlândia. Assina a coluna Cabeçote semanalmente.

A maldição de Buddy Holly

holly

A foto acima é a última de Buddy Holly. O lendário cantor faleceu em 3 de fevereiro de 1959, em um acidente de avião que também levou Richie Valens e o DJ Big Bopper. O trio participava da excursão The Winter Dance Party. Desde então, esse é conhecido como “o dia em que a música morreu”. Mas teria ele dado início a uma maldição? O desfecho de algumas pessoas ligadas a Buddy e à turnê denunciam que ela é tão perigosa quanto a famigerada maldição dos 27 anos. Senão vejamos:

Ronnie Smith – Cantor que foi contratado para substituir Holly na turnê. Se internou em um hospício após o último show. Anos mais tarde, cometeu suicídio por enforcamento.

David Box – Membro da banda de apoio de Buddy, The Crickets. Tentou iniciar uma carreira solo. Assim como seu antigo patrão, morreu em um acidente aéreo. E com a mesma idade, 22 anos.

Maria Elena Holly – A esposa de Buddy estava grávida quando ele morreu. Acabou sofrendo um aborto dias depois. Hoje, com 77 anos, Maria confessa nunca ter visitado o túmulo do marido.

Gene Vincent e Eddie Cochran – Amigos pessoais de Holly, acompanharam o músico em alguns dos shows da turnê. Ambos morreram em circunstâncias inesperadas.

Keith Moon – Nem o baterista do The Who se escapou. Reza a lenda que, na noite de sua morte (mesmo dia do aniversario de Buddy Holly), Moon teria ido assistir o filme The Buddy Holly Story, convidado por Paul e Linda McCartney. Seu corpo foi encontrado no outro dia.

Curiosidades encontradas no Oddee.com.