Rolling Stones: 50 anos de Got Live If You Want It!

got live

(lançado em 10 de dezembro de 1966)

Contra a própria vontade, os Rolling Stones acabaram se tornando uma sensação juvenil nos primórdios da carreira. Os gritos histéricos que abrem este álbum atestam o impacto dos “rivais de mentirinha” dos Beatles – todo mundo sabe que o respeito e amizade imperava. A essa altura, para desespero de Keith Richards, a banda era vista como uma força do Rock and Roll. E foi assim que apresentou o seu primeiro registro oficial ao vivo. Got Live If You Want It! teve sua maior porção gravada nos dias 1 e 7 de outubro de 1966, em Newcastle Upon Tyne e Bristol. Alguns enxertos de outros momentos foram incluídos no tracklist final, incluindo a performance de “Fortune Teller”, captada três anos antes, quando o grupo vivia seus momentos embrionários.

O tracklist apresenta os primeiros hits e covers. Oportunidade de ouvir sons como “Under My Thumb”, “Get Off My Cloud” e “(I Can’t Get No) Satisfaction” com arranjos mais próximos dos originais, sem o estilo big band dos tempos atuais – que também é maravilhoso, ressalte-se. Ainda há de se destacar a interpretação emocionada de Mick Jagger para “I’ve Been Loving You Too Long”, de Otis Redding e Jerry Butler. Mas o grande barato acaba sendo escutar hinos que ficaram pelo caminho, como as indefectíveis “19th Nervous Breakdown”, “Time Is On My Side” e “Have You Seen Your Mother, Baby, Standing In The Shadows?”. Doze faixas em pouco mais de meia hora. Suficiente para mostrar o que o futuro reservava.

Mick Jagger (vocais)
Keith Richards (guitarra)
Brian Jones (guitarra)
Bill Wyman (baixo)
Charlie Watts (bateria)
Ian Stewart (teclados)

01. Under My Thumb
02. Get Off My Cloud
03. Lady Jane
04. Not Fade Away
05. I’ve Been Loving You Too Long
06. Fortune Teller
07. The Last Time
08. 19th Nervous Breakdown
09. Time Is On My Side
10. I’m Alright
11. Have You Seen Your Mother, Baby, Standing In The Shadows?
12. (I Can’t Get No) Satisfaction

got live

Esse post foi publicado em * Resenha e marcado por João Renato Alves. Guardar link permanente.