Resenha: Rolling Stones – Blue & Lonesome [2016]

blue lonesome

Quem leu Vida, biografia de Keith Richards, sabe que apesar de ser uma das bandas que melhor define o estilo, os Rolling Stones não gostavam de serem chamados de Rock and Roll nos primórdios da carreira. O grupo preferia ser colocado junto ao Blues, um estilo de vanguarda, respeitado, que não era visto como uma sensação teen àquela altura dos acontecimentos. O tempo passou, os rótulos deixaram de ter tanta importância, mas o amor pelas raízes nunca deixou de estar presente no grande caldeirão musical que alavancou o conjunto ao status de um dos mais importante da história. Por isso, o quarteto e seus asseclas voltaram a se encontrar com o produtor Don Was para celebrar um passado cada vez mais distante. Foram poucas sessões, com todos tocando ao mesmo tempo, visando manter a sonoridade mais espontânea possível, incluindo alguns pormenores sonoros, como a bateria vazando em outros canais. Essa foi a fórmula de Blue & Lonesome.

Fica difícil analisar friamente o tracklist quando o componente emocional está tão presente. Além disso, é comovente notar que Mick, Keith, Ronnie e Charlie, nas casas dos 60 e 70 anos, ainda mostram tanta paixão pelo que fazem. Eric Clapton também comparece em dois momentos. Primeiro, tocando slide em “Everybody Knows About My Good Thing”. Depois, mostrando sua classe em “I Can’t Quit You, Baby” – que sim, é aquela mesmo. Alguns jornais britânicos criticaram suposto comodismo dos Stones ao optar por um caminho supostamente fácil. Porém, não dá para deixar de destacar que se trata de um tributo legítimo em todas as alçadas possíveis. São os caras que carregaram o nome e fizeram a história evoluir homenageando seus heróis. Se eles não possuem esse direito, quem mais teria? Por conta de sua natureza diferente da de um disco de inéditas, Blue & Lonesome não entrará em nossa lista de melhores do ano, que inclui apenas trabalhos autorais. Mesmo assim, vale ser lembrado como um dos grandes momentos de 2016.

Nota 9,5

Mick Jagger (vocais, harmônica)
Keith Richards (guitarra)
Ronnie Wood (guitarra)
Charlie Watts (bateria)

Darryl Jones (baixo)
Matt Clifford (teclados)
Chuck Leavell (teclados)
Jim Keltner (percussão)

01. Just Your Fool (Original written and recorded in 1960 by Little Walter)
02. Commit A Crime (Original written and recorded in 1966 by Howlin’ Wolf – Chester Burnett)
03. Blue And Lonesome (Original written and recorded in 1959 by Little Walter)
04. All Of Your Love (Original written and recorded in 1967 by Magic Sam – Samuel Maghett)
05. I Gotta Go (Original written and recorded in 1955 by Little Walter)
06. Everybody Knows About My Good Thing (Original recorded in 1971 by Little Johnny Taylor, composed by Miles Grayson & Lermon Horton – participação de Eric Clapton)
07. Ride ‘Em On Down (Original written and recorded in 1955 by Eddie Taylor)
08. Hate To See You Go (Original written and recorded in 1955 by Little Walter)
09. Hoo Doo Blues (Original recorded in 1958 by Lightnin’ Slim, composed by Otis Hicks & Jerry West)
10. Little Rain (Original recorded in 1957 by Jimmy Reed, composed by Ewart.G.Abner Jr. and Jimmy Reed)
11. Just Like I Treat You (Original written by Willie Dixon and recorded by Howlin’ Wolf in December 1961)
12. I Can’t Quit You Baby (Original written by Willie Dixon and recorded by Otis Rush in 1956 – participação de Eric Clapton)

blue lonesome

Esse post foi publicado em * Resenha e marcado por João Renato Alves. Guardar link permanente.