Pretty Maids: 30 anos de Future World

future world

(lançado em 20 de abril de 1987)

Não há grupo que tenha conseguido fazer a mistura de Heavy Metal e Hard Rock de maneira tão perfeita como os dinamarqueses do Pretty Maids. Talvez justamente por essa caminhada na linha fina entre um gênero e outro, os caras não tenham feito grande sucesso. Nenhum trabalho virou referência tão grande na discografia do grupo quanto o estupendo Future World. Lançado em 1987, teve grande amparo de sua gravadora à época, a Warner Brothers Records, satisfeita com a boa repercussão do debut, Red, Hot & Heavy. O investimento foi tão forte, que chamaram dois feras para produção e mixagem, os renomados Eddie Kramer (KISS, Led Zeppelin, Jimi Hendrix e incontáveis outras estrelas) e Flemming Rasmussen (Metallica). Nos backing vocals, outra participação especial de peso, ninguém menos que o lendário Graham Bonnet (Rainbow, Alcatrazz, MSG).

A faixa-título é um soco no estômago, com guitarras furiosas e teclados marcantes. Atentem-se à performance de Ronnie Atkins nos vocais e percebam quem foi a maior inspiração para Hansi Kürsch. “We Came To Rock” é aquele Heavy de arena típico, com refrão para ser entoado pela massa. Na sequência, o grande hit “Love Games”, a mistura perfeita de teclados AOR e pegada metálica. A climática “Yellow Rain” e a certeira “Loud N’ Proud” mantém o nível no máximo, abrindo espaço para o Hard Rock simples e eficiente de “Rodeo”, mais uma daquelas melodias que fazem a vida valer a pena. Para dar uma injeção ainda maior de adrenalina, a porrada absurda de “Needles In The Dark” convida o ouvinte a bater cabeça e empunhar sua air-guitar em um típico exemplar do Metal oitentista.

A semibalada “Eye Of The Storm” é um show de execução instrumental. Para encerrar em uma vibração festeira, a descontraída “Long Way To Go”. As vendas logo atingiram a casa do milhão, fazendo com que a banda seja chamada para abrir a turnê do Deep Purple pelos Estados Unidos. Logo após, embarcam em um giro europeu, dessa vez como headliners. Aliás, a amizade com os membros do Purple perdurou, com Roger Glover produzindo o trabalho seguinte do Pretty Maids, Jump The Gun, além de Ian Gillan participar do EP natalino “In Santa’s Claws”, ambos de 1990. Future World é indispensável na coleção de qualquer pessoa com bom gosto musical. A prova de que se pode misturar elementos mais acessíveis com o peso e fazer um som que agrade a todos sem precisar apelar.

Ronnie Atkins (vocais)
Ken Hammer (guitarra)
Allan DeLong (baixo)
Phil Moorhead (bateria)
Alan Owen (teclados)

01. Future World
02. We Came To Rock
03. Love Games
04. Yellow Rain
05. Loud N’ Proud
06. Rodeo
07. Neddles In The Dark
08. Eye Of The Storm
09. Long Way To Go

future world

Esse post foi publicado em * Resenha e marcado por João Renato Alves. Guardar link permanente.