Discografia do Celtic Frost pela Noise Records é relançada

celtic frost

A BMG confirmou para 30 de junho o relançamento de quatro dos cinco primeiros álbuns do Celtic Frost, disponibilizados originalmente pela Noise Records. Todos foram acrescidos de faixas-bônus e estarão à venda em CD e LP. Cold Lake, quarto full-length, ficou de fora, já que é odiado tanto pela banda quanto fãs. Os tracklists são os seguintes:

Morbid Tales

01. Human (Intro)
02. Into The Crypts Of Rays
03. Visions Of Mortality
04. Dethroned Emperor
05. Morbid Tales
06. Procreation (Of The Wicked)
07. Return To The Eve
08. Danse Macabre
09. Nocturnal Fear

* Bonus Tracks

10. Morbid Tales (1984 Rehearsal)
11. Messiah (1984 Rehearsal)
12. Procreation (Of the Wicked) (1984 Rehearsal)
13. Nocturnal Fear (1984 Rehearsal)

To Mega Therion

01. Innocence And Wrath
02. The Usurper
03. Jewel Throne
04. Dawn Of Meggido
05. Eternal Summer
06. Circle Of The Tyrants
07. (Beyond The) North Winds
08. Fainted Eyes
09. Tears In A Prophet’s Dream
10. Necromantical Screams

* Bonus Tracks

11. Circle Of The Tyrants (“Emperor’s Return” EP)
12. Visual Aggression (“Emperor’s Return” EP)
13. Suicidal Winds (“Emperor’s Return” EP)
14. Journey Into Fear (“Emperor’s Return” EP Recording Sessions)
15. Visual Aggression (1988 Remix)
16. Return to the Eve (1985 Studio Jam)

Into The Pandemonium

01. Mexican Radio
02. Mesmerized
03. Inner Sanctum
04. Tristesses De La Lune
05. Babylon Fell (Jade Serpent)
06. Caress Into Oblivion (Jade Serpent II)
07. One In Their Pride (Porthole Mix)
08. I Won’t Dance (The Elders’ Orient)
09. Rex Irae (Requiem)
10. Oriental Masquerade

* Bonus Tracks

11. Sorrows Of The Moon
12. The Inevitable Factor
13. In The Chapel In The Moonlight
14. One In Their Pride (Re-Entry Mix)
15. The Inevitable Factor (Alternate Vox)

Vanity/Nemesis

01. The Heart Beneath
02. Wine In My Hand (Third From The Sun)
03. Wings Of Solitude
04. The Name Of My Bride
05. This Island Earth
06. The Restless Seas
07. Phallic Tantrum
08. A Kiss Or A Whisper
09. Vanity
10. Nemesis

* Bonus Tracks

11. Heroes
12. A Descent to Babylon (Babylon Asleep)

Guitarrista e baterista deixam o Buckcherry

buckcherry

O guitarrista Keith Nelson e o baterista Xavier Muriel deixaram o Buckcherry. Seus substitutos para os vindouros compromissos serão Kevin Roentgen e Sean Winchester (Everclear), respectivamente. Não se sabe se eles permanecerão em definitivo. O vocalista Josh Todd e o outro guitarrista do grupo, Stevie D., estão lançando um projeto paralelo, chamado Josh Todd & The Conflict. Rock ‘N’ Roll, álbum mais recente da banda, saiu em 2015, ganhando reedição com faixas bônus no ano seguinte.

Rudy Sarzo se junta ao novo projeto de Dan Spitz e Deen Castronovo

O baixista Rudy Sarzo (Quiet Riot, Ozzy Osbourne, Whitesnake, Dio) foi confirmado no grupo que reúne o guitarrista Dan Spitz (Anthrax, Red Lamb) e o baterista Deen Castronovo (Journey, Bad English, Ozzy Osbourne). O projeto, ainda sem nome, terá sonoridade voltada ao Thrash e temática cristã. Spitz se refere ao projeto como “banda e ministério”.

Hoje, 16 de maio

– Há 88 anos era realizada em Hollywood a primeira cerimônia de entrega do Oscar.

– O guitarrista Robert Fripp (King Crimson) completa 71 anos.

– O baterista Roger Earl (Foghat, Savoy Brown) completa 71 anos.

– O baterista Darrell Sweet (Nazareth) completaria 69 anos. Ele faleceu em 1999, vítima de parada cardiorrespiratória.

– O baixista Krist Novoselic (Nirvana) completa 52 anos.

– Há 51 anos Bob Dylan lançava Blonde On Blonde, primeiro álbum duplo da história da música popular.

– Há 51 anos os Beach Boys lançavam o álbum Pet Sounds.

– Há 48 anos o guitarrista Pete Townshend (The Who) era preso em Nova York por agressão. Durante um show da banda no Filmore East, o policial Daniel Mulhearn subiu ao palco e tentou tomar o microfone para alertar o público sobre um incêndio em local próximo. O guitarrista achou tratar-se de um fã e o chutou do palco. O público só saiu do recinto depois que Townshend foi carregado do palco.

– Há 47 anos o The Who lançava o álbum Live At Leeds.

– Há 43 anos o guitarrista Brian May desmaiava durante um show do Queen em Nova York, decorrência de uma hepatite.

– O vocalista Tony Kakko (Sonata Arctica) completa 42 anos.

– Há 37 anos Paul McCartney lançava o álbum McCartney II.

– Há 34 anos o Iron Maiden lançava o álbum Piece Of Mind.

– Há 7 anos o vocalista Ronnie James Dio (Elf, Rainbow, Black Sabbath, Dio, Heaven And Hell) falecia em decorrência de um câncer no estômago.

Invidia recém começou e já trocou o vocalista

invidia

O Invidia, projeto que conta com ex e atuais membros do Five Finger Death Punch e Skinlab, anunciou a saída do vocalista Travis Johnson. Ele deixa o grupo para se dedicar 100% ao In This Moment, onde exerce a função de baixista. Seu substituto é Evan Seidlitz (Vyces, Thrown Into Exile). O grupo lançou o álbum de estreia, As The Sun Sleeps, no final de março.

Frontman do Kreator fala sobre como é ser vegano em sua carnificina sonora

kreator vegano

O guitarrista e vocalista Mille Petrozza falou ao Metal Master Kingdom sobre ter se tornado vegano em 2009. “Nem penso mais nisso, foi apenas uma escolha. Sei que muitas pessoas se incomodam quando você prega esse estilo de vida. Não é meu objetivo, cada um faz o que quiser. Sinto-me muito poderoso e energizado assim. Por outro lado, é preciso tomar muito cuidado para não se tornar um vegano de fast-food, comendo qualquer coisa por se adaptar ao nosso cotidiano. Se pensar assim, você acaba se nutrindo pior que qualquer outra pessoa. É necessário ter sempre alimentos frescos e limpos”.

Conheça o Earth, Wind & Ozzy

O DJ Cummerbund mesclou os vocais de “Crazy Train” com o instrumental de “September”, clássico do Earth, Wind & Fire. O resultado pode ser conferido abaixo.

Cabeçote: Adeus, Van do Halen

A imagem acima ilustra alguns minutos da minha tarde. Passei um tempinho olhando, fixamente, para a tela do computador. Fiquei só observando, sem outra atividade, como há algum tempo não fazia diante da minha principal ferramenta de trabalho.

Parei para olhar a tela, aberta na página inicial desta coluna, na tentativa de obter um insight, um estalo, uma fagulha que me fizesse escrever o último texto da Cabeçote. Enquanto buscava por inspiração, fui tomado por uma nostalgia que apertava meu peito, mas, ao mesmo tempo, me transmitia uma boa sensação: a de dever cumprido.

Não dá para dizer adeus somente a esta coluna. Neste mês, com o fim da Van do Halen, um capítulo bem maior da minha vida chega ao fim. E, pelo visto, trata-se de um encerramento definitivo desta vez.

A história da Van do Halen, cujas atividades serão encerradas nesta semana, tem início a partir de outro site. Ou melhor, blog: Combe do Iommi, fundado no segundo semestre de 2007 por mim e pelo também jornalista Marcelo Vieira. Resenhas de discos dividiam espaço com links para download, em tempos bicudos para quem procurava por álbuns de rock e metal – especialmente os raros.

Alguns anos após a fundação do blog, João Renato Alves – também jornalista – reforçou a equipe. Com ele e outros colegas que compunham a staff, foi fundada, na metade de 2009, a Van do Halen. Inicialmente, tratava-se de outro blog, que servia como alívio cômico para quaisquer temas que fossem relevantes para nós naquele momento.

Enquanto o blog da Combe definhava – boa parte da equipe já não estava mais interessada em seguir com o projeto -, a Van do Halen começou a ganhar um rosto, graças a João Renato Alves, que passou a utilizar o espaço para divulgação de notícias das bandas que gostávamos. O projeto foi conquistando repercussão até que, no fim de 2011, João e eu optamos por transformá-lo em um site, de tom mais sóbrio, focado em notícias e outros tipos de materiais sobre rock e metal.

No início de 2012, a transição foi devidamente feita para um domínio próprio. Considero, ali, o real início da Van do Halen. Integrei a equipe até a metade de 2013, quando, por uma série de motivos, deixei o site para me dedicar a outros projetos. Em dezembro do mesmo ano, retornei apenas como colunista, com textos semanais para a Cabeçote.

Em cinco anos enquanto site – e quase oito desde a sua fundação no modesto blog de URL “vansucks.blogspot.com.br” -, a Van do Halen conquistou reputação e credibilidade a partir daquilo que se propôs: ser o site de notícias mais ágeis de rock e metal. E mais: trouxe conteúdos de diversas origens, de diferentes estilos textuais, que deram um tom sofisticado à sua linha editorial.

Durante todo esse tempo, nunca negamos o gosto pelo que fazíamos. Entretanto, ao mesmo tempo, jamais nos deixamos levar por qualquer sentimento de “oba-oba”. Ainda que trabalhássemos com a nossa principal paixão, o profissionalismo, nossa premissa básica, não foi deixado de lado – seja pela composição da equipe, formada somente por jornalistas, ou pela abordagem, onde o passional, seguramente, não se sobrepôs ao racional.

Particularmente, fico triste pela Van do Halen chegar ao fim. Além de ter participado da concepção do projeto, trabalhado em seus períodos iniciais e ter seguido como colunista, também fui consumidor deste produto que, desde a minha saída, passou a ser mantido, exclusivamente, por João Renato Alves.

Por outro lado, não só compreendo a decisão tomada, mas, também, sou tomado por um sentimento de “dever cumprido” quando penso na Van do Halen. Tenho uma imensa gratidão por ter participado deste projeto, ter trabalhado ao lado de grandes pessoas e ter sido lido por tanta gente. Agradeço a todos os envolvidos, tanto colaboradores e parceiros quanto público, por terem contribuído com e acompanhado o site durante todo esse tempo.

Como manda a cartilha original do rock e do metal, fizemos barulho de forma contestadora. De modo autêntico. Sem tapinha nas costas, sem puxa-saquismo, sem medo de ninguém. Estou certo de que a Van do Halen deixou sua marca no segmento e que muitos de vocês ainda se lembrarão desse nome com o passar do tempo. Enquanto durou, foi um projeto de bastante sucesso e qualidade.

Reforço que gostaria, muito, que todos vocês passassem a acompanhar minhas produções em outros sites e mídias sociais.

Pelo que me foi informado, o acervo da Van do Halen ficará no ar até o fim do mês – já sem atualização a partir dos próximos dias. Dessa forma, gostaria de me despedir com a mesma “arma” que deu início à Van: conteúdo sobre rock e metal. Separei, abaixo, alguns dos textos mais lidos da coluna Cabeçote, além de outras produções que considero interessantes.

Adeus!

Igor Miranda é jornalista e fundou o site Van do Halen ao lado de João Renato Alves. Atualmente, é redator-chefe do site Cifras. Assinou a coluna Cabeçote entre dezembro de 2013 e maio de 2017.

Bret Michaels quer criar uma nova “Talk Dirty To Me” com o Poison

O Parade.com perguntou a Bret Michaels se há a disposição para o Poison selar sua atual reunião com material novo. “Para mim, o melhor a acontecer seria escrevermos uma canção incrível, uma nova ‘Talk Dirty To Me’. Sem pressão, apenas entrar em estúdio com a ideia. Poderia ser na minha própria casa, dando uma festa como nos velhos tempos. Amo e respeito o passado, mas não quero viver só dele. Quero ser verdadeiro e relevante”.

Vocalista reflete sobre estratégia do Avenged Sevenfold ao lançar disco sem maiores avisos

avenged sevenfold

Em aparição no Full Metal Jackie, o vocalista M. Shadows refletiu sobre a estratégia do Avenged Sevenfold, ao lançar seu álbum mais recente, The Stage, sem maiores promoções. Em outubro do ano passado, um dia antes de disponibilizá-lo, a banda simplesmente divulgou os detalhes. “Estávamos buscando uma nova maneira de comunicar. Atualmente, as pessoas não prestam tanta atenção nas coisas, por conta da velocidade da internet. Não queríamos ficar lançando singles meses antes de o trabalho sair, deixando todo mundo ansioso pelo produto completo. Não sei se foi o melhor dos planos, mas foi um diferente”.

Publipost: Khorium divulga single “Quem Vai Pagar”

khorium

Aliando peso, groove, riffs de guitarra metal com batidas rap e baixo funk, Khorium é uma banda brasileira de metal crossover, com letras ácidas, expressando uma visão crítica sobre a situação atual do Brasil e do mundo. A música “Quem Vai Pagar” está disponível nas plataformas de streaming e downloads. Seu videoclipe pode ser conferido abaixo. Mais informações no Facebook oficial do grupo.

Guitarrista projeta EP de inéditas do Def Leppard ano que vem

Em entrevista ao Ultimate Classic Rock, o guitarrista Phil Collen deixou claro que o Def Leppard não vai demorar tanto para lançar mais músicas inéditas. A ideia é lançar um EP já no próximo ano, sucedendo o álbum homônimo, de 2015. “Não queremos apressar as coisas. O último disco foi feito sem gravadora, tudo ao nosso tempo, expressão artística pura. As canções tinham vida própria. Em um âmbito mercadológico, algumas teriam ficado de fora por não se encaixarem com as outras. Queremos seguir de forma natural”.