O tanque segue firme e forte

Tank – War Nation [2012]

Após o retorno com uma formação, no mínimo, curiosa, o Tank parece ter se estabelecido de vez na nova realidade. War Nation não se difere muito de seu antecessor, mantendo aquela característica de um Hard/Heavy melódico e direto, como nos áureos tempos da NWOBHM. De qualquer modo, os fãs não devem esperar por petardos como Filth Hounds Of Hades ou This Means War, especialmente quando o aspecto agressividade é colocado em julgamento. Ouvindo o play com isso em mente, fica bem mais fácil de aproveitar algo dele.

O grande destaque fica para a dupla de guitarristas. Mick Tucker e Cliff Evans mandam ver em riffs e solos muito bem feitos, mostrando perfeita sincronia. Entre as faixas, destacam-se a pesada “Song Of The Dead”, com algo do Black Sabbath fase Tony Martin e acelerada “Hammer And Nails”, uma verdadeira convocação ao air-guitar e headbanging. A melhor vem na sequência. “Don’t Dream In The Dark” lembra algo do Empire, que contou com Doogie White nos vocais em seu último lançamento. Aliás, o vocalista cumpre seu papel aqui com total eficiência e competência, mesmo sem se sobressair aos outros membros.

Adeptos das baladas metálicas encontrarão um bom exemplar em “Dreamer”, que dá espaço para “Justice For All”, com sua intro riffeira tipicamente oitentista, mesma receita utilizada em “State Of The Union” com bons resultados em ambas. A instrumental “Hard Road” fecha o trabalho, lembrando outros bons exemplares do gênero. Não é o disco do ano, mas garante a diversão ao ouvinte, que ouve sem maiores atropelos. Vale a conferida!

Nota 7

Doogie White (vocals)
Mick Tucker (guitars)
Cliff Evans (guitars)
Chris Dale (bass)
Steve Hopgood (drums)

01. War Nation
02. Song Of The Dead
03. Hammer And Nails
04. Don’t Dream In The Dark
05. Grace Of God
06. Dreamer
07. Justice For All
08. Wings Of Heaven
09. State Of The Union
10. Hard Road

Esse post foi publicado em * Resenha e marcado por João Renato Alves. Guardar link permanente.