Memórias do Futebol: Os dez anos do penta – parte 5

Um time do Felipão

Brasil versus Inglaterra pode ser considerado o ponto mais alto da carreira de Luiz Felipe como técnico de futebol. Todas as suas boas qualidades foram utilizadas neste jogo e todas apresentaram o máximo de rendimento. Luiz Felipe demonstrou ser um perspicaz conhecedor da alma de seus jogadores – recuperou dois craques consagrados, Ronaldo e Rivaldo, que pareciam condenados a um prematuro fim de carreira. Ao mesmo tempo, deu tranquilidade a dois jovens, Gilberto e Kléberson, esperou que amadurecessem, até pô-los no caminho certo.

Luiz Felipe ainda demonstrou sua habilidade tática – a Inglaterra não jogou, Marcos não fez uma única defesa importante. O gol de Owen, originado de uma falha individual, foi a única situação de gol do English Team. Mesmo com um jogador a menos o Brasil foi melhor, sabia o que fazer em campo e, o mais importante, sabia o que queria da partida. A seleção brasileira, hoje, tem a personalidade de Luiz Felipe. Uma personalidade de vencedor.

David Coimbra
Jornal Zero Hora, 22/6/2002

Brasil 2×1 Inglaterra
21 de junho de 2002

Brasil: Marcos, Lúcio, Edmilson e Roque Júnior; Cafu, Gilberto Silva, Kléberson, Ronaldinho e Roberto Carlos; Rivaldo e Ronaldo (Edilson). Técnico: Luiz Felipe

Inglaterra: Seaman, Mills, Ferdinand, Campbell e Cole (Sheringhan); Butt, Scholes, Sinclair (Dyer) e Beckham; Owen (Vasself) e Heskey. Técnico: Sven-Goran Eriksson

Gols: Owen aos 23 e Rivaldo aos 47 minutos do primeiro tempo; Ronaldinho aos 4 minutos do Segundo tempo.
Arbitragem: Felipe Ramos Rizo (México), auxiliado por Hector Vergara (Canadá) e Mohamed Said (Ilhas Maldivas)
Cartão Amarelo: Scholes e Mills.
Expulsão: Ronaldinho
Local: Estádio Ogasayama, em Shizuoka, Japão

Publicado em Memórias do Futebol por João Renato Alves. Marque Link Permanente.