Guitarrista do Deftones dá um dos depoimentos mais sinceros da história

deftones

Ao falar sobre Gore, novo disco do Deftones, o guitarrista Stephen Carpenter surpreendeu o Ultimate-Guitar.com. Nada de louros ao trabalho nem tapar o sol com a peneira em relação ao entendimento dentro do grupo.

Há alguma música ou parte de guitarra no disco que você tem mais orgulho ou está mais empolgado para mostrar aos fãs?

Oh, Deus. Acho que o maior orgulho foi ter tocado, pois não queria fazer isso, para começo de conversa. Só muito mais tarde que comecei a me envolver. Olho para as faixas e sinto que todas foram um desafio.

O que você acha que era essa barreira?

Não sei. Só gosto de Metal, amo o que está sendo feito atualmente no estilo. Gostaria que as pessoas parassem de usar a expressão djent, é idiota. É só Metal.

Então, o que você acha que tornou o trabalho difícil?

Quando começamos a desenvolver ideias e escrever músicas, não me interessei pelo que os outros caras traziam. Não era o estilo que eu esperava ou desejava.

Isso diz muito sobre se ver como parte de uma banda e seguir a direção da maioria.

Sim. Minha banda está indo em uma e direção e eu na outra, atualmente.

Isso não significa que você vai deixar o Deftones, certo?

Nunca deixaria a banda que criei, mas eles parecem estar me deixando. Não posso controlar.

É um modo democrático de ver a situação.

Me divirto a maior parte do tempo. Este álbum foi uma luta. Temos problemas que não quero deixar de lado, pois não sei o que acontecerá no futuro. Apenas não concordo com algumas coisas.

Esse post foi publicado em * Notícias e marcado por João Renato Alves. Guardar link permanente.