>Curiosidades sobre: Deep Purple

>

Abrindo a seção “Curiosidades”, que deve ganhar um novo artigo semanalmente, uma das maiores bandas de Rock do mundo: Deep Purple!

– Antes do segundo show da turnê americana do Deep Purple, no fim de 1971, Ian Gillan ficou doente e a banda congelou por alguns meses. Ritchie Blackmore montou um novo projeto chamado Baby Face, com Ian Paice na bateria e Phil Lynott (Thin Lizzy) no baixo e vocal. Apesar de terem gravado algumas demos, a ideia não foi adiante porque o Purple provava o gosto do sucesso com “Machine Head”.

– O objetivo do Deep Purple não era se consagrar como um dos precursores do Heavy Metal: a banda reciclava músicas dos Beatles antes da entrada de Ian Gillan (“Shades Of Deep Purple”, o disco de estréia, tem uma versão de “Help”) e apresentava ideias pouco originais da já consagrada vertente progressiva do Rock. A entrada de Gillan no vocal e Roger Glover no baixo mudou a situação.

“Child In Time”, clássica canção do álbum “In Rock”, de 1970, é claramente influenciada (para não dizer “copiada”) pela canção “Bombay Calling”, da banda It’s A Beautiful Day. A estrutura rítmica de ambas é a mesma, só que o andamento de “Child In Time” é um pouco mais lento.

– Durante o show que deu origem ao “California Jam”, em 1974, Ritchie Blackmore deu uma guitarrada no rosto de um cameraman. O motivo é banal: preocupado em como apareceria na fita, o guitarrista pediu ao sujeito para que não focalizasse o seu perfil do lado direito. O cinegrafista ignorou o pedido e Ritchie acabou por perder a paciência, golpeando-o com sua Fender Stratocaster.

– O baixista Glenn Hughes, integrante do Deep Purple de 1973 até 1976, diz que Ritchie Blackmore é uma das pessoas mais mimadas que já conheceu. Hughes afirma: “se a banda não concordasse com as suas idéias, ele ia chorar no banheiro”.

– O incêndio narrado pelo Deep Purple em “Smoke On The Water” é pura realidade. Ele aconteceu em Montreux, Suíça, no dia 4 de dezembro de 1971. A banda chegou na cidade para gravar um álbum usando um estúdio móvel de gravação, alugado do The Rolling Stones (citado na letra), e o local escolhido foi o Cassino de Montreux. Às vésperas do início da gravação, houve um show de Frank Zappa And The Mothers Of Invention, e durante o mesmo, ocorreu um incêndio que destruiu todo o complexo do cassino e o equipamento do Mothers. Os integrantes do Purple assistiam o desastre num hotel, do outro lado do lago de Genebra, e tiveram que gravar o álbum “Machine Head” no Grand Hotel, localizado na mesma cidade.

– Houve um falso Deep Purple em 1980, idealizado pelo empresário Steve Green e pelo baterista Dick Jurgens, que também integrou um falso Steppenwolf. Como os ex-integrantes da banda estavam envolvidos em outros projetos, o convidado para a falcatrua foi Rod Evans, o primeiro vocalista da banda, de 1968 a 1969. Fizeram alguns concertos sob o nome do Deep Purple e foram hostilizados pela plateia, pois além da farsa, os músicos eram ruins. A banda acabou e Evans foi processado pelo uso indevido do nome do grupo, pagando 672 mil dólares de indenização e não recebendo mais royalties dos álbuns que havia participado com a banda.

Da esquerda pra direita: Dick Juergens, Tony Flynn,
Tom De Rivera, Geoff Emery e Rod Evans
Publicado em Curiosidades sobre, Deep Purple por Igor Miranda. Marque Link Permanente.

Sobre Igor Miranda

http://www.vandohalen.com.br/