Capa do novo álbum do Heretic’s Dream

here

Floating State Of Mind, novo disco da banda italiana de Prog Rock/Metal, sai ainda neste semestre, em data a ser anunciada posteriormente.

Álbum do Poltergeist ganha relançamento

polter

Nothing Lasts Forever, álbum lançado pelos thrashers suíços em 1993, está ganhando relançamento via Divebomb Records. Além do álbum original, o trabalho traz como bônus as demos Poltergeist (1987) e Writing On The Wall (1988). O vocalista do grupo, André Grieder, chegou a ser vocalista do Destruction, substituindo Schmier no álbum Cracked Brain, de 1990.

Os pensadores do Rock

“Na Europa, o Deep Purple era tão grande quanto o Led Zeppelin. Na América, éramos totalmente desconhecidos, mesmo no início do Whitesnake. Quando tocamos ‘Burn’ na turnê de reunião, em 2004, muitas pessoas iam ao nosso site e deixavam comentários elogiando a música e perguntando se ela era nova. Mesmo hoje em dia, há pessoas que até conhecem ‘Burn’ e ‘Mistreated’, mas nunca ouviram ‘Lady Double Dealer’ e outras mais obscuras”.
David Coverdale (http://www.vandohalen.com.br/americanos-adoraram-burn-nova-musica-do-whitesnake-em-2004/)

“Sabia que ia ser famoso desde os 16 anos. Costumava dizer isso às pessoas. Era o destino, estava fadado a me tornar uma estrela. Acredito que, mesmo se não fosse com o KISS, teria acontecido de outra forma”.
Ace Frehley (http://www.vandohalen.com.br/era-o-destino-eu-me-tornar-uma-estrela-diz-ace-frehley/)

“Fazemos a música que nos deixa feliz, não a que entendemos que o público gostaria. Não temos um plano, tudo acontece de forma orgânica, o que inclui inclusive, erros”.
Geddy Lee (http://www.vandohalen.com.br/geddy-lee-corrobora-declaracao-de-dave-grohl-sobre-o-rush/)

“Há incríveis talentos por aí, como Avenged Sevenfold, Five Finger Death Punch, In This Moment, Royal Blood e Rival Sons, entre outros. Posso citar vários outros. Penso que a mudança aconteceu na maneira como a música e absorvida através da internet. Pergunto-me se ainda teremos grandes estrelas, como Ozzy Osbourne ou Axl Rose no futuro. Realmente não sei, as coisas mudaram. Mas sim, temos inúmeros artistas de qualidade na cena atual do Rock and Roll e em todos os subgêneros”.
Rob Halford (http://www.vandohalen.com.br/rob-halford-indica-novas-bandas/)

“Não importa o que aconteça, lembre que é a SUA vida. Não há nada que não se possa atingir se você se esforçar de verdade. Há duas opções: ficar parado, sentindo pena de si mesmo, ou sacudir a poeira e manter o foco em seus objetivos. Não deixe ninguém lhe desencorajar. Use a negatividade como motivação para acender seu fogo interno. Siga o coração, nunca duvide de si mesmo e sempre lembre, a parte mais difícil de alcançar um sonho é nunca desistir”.
DJ Ashba (http://www.vandohalen.com.br/dj-ashba-manda-recado-para-quem-esta-na-pior/)

“Ainda existem ótimas bandas aparecendo, mas elas não têm plataformas para aparecer como tivemos a MTV, por exemplo. E as gerações mais novas têm outras tantas distrações fora da música para ocupar o tempo… Internet, mídias sociais, iPhone, aplicativos de jogos, etc. Vivemos uma era de gratificação instantânea. Não sei se hoje em dia a garotada tem disciplina para pegar um instrumento e ficar 10 horas tentando aprender a tocar, já que eles podem pegar o smartphone e usar os samples de guitarra do Garage Band. Enfim… A Renascença terminou, mas as pessoas sempre irão pintar”.
Gary Cherone (http://www.vandohalen.com.br/gary-cherone-analisa-mundo-25-anos-apos-pornograffitti/)

“Falta melodia. Ela foi substituída por barulho, além da falta de talento dos vocalistas, que só gritam no microfone. Tecnicamente, pode ser algo extraordinário, mas não há musicalidade. Sem ritmo e melodia, para mim, não há música”.
Steve ‘Lips’ Kudlow (http://www.vandohalen.com.br/lips-considera-vocalistas-do-metal-atual-sem-talento/)

Discografia do Rage inglês é relançada

rage

Os três álbuns de estúdio da banda inglesa Rage estão sendo relançados pela Rock Candy Records. Out Of Control (1981), Nice N’ Dirty (1982) e Run For The Night (1983) foram remasterizados e ganharam encarte retrabalhado. Os tracklists são os mesmos dos lançamentos originais.

Álbum do Exises ganha relançamento

exises

A banda holandesa Exises, companheira de geração de nomes como Picture, Bodine e Vengeance, está tendo seu trabalho de 1986 relançado pela Divebomb Records. O álbum homônimo teve seu tracklist original conservado.

Vocalista do Hotel Diablo lança EP de novo projeto

stutter

O vocalista Rick Stitch está lançando um EP com seu projeto paralelo, Stutter. O trabalho tem como carro chefe um cover para “Edge Of Seventeen”, de Steve Nicks, com um solo de Bumblefoot. Instincts conta com o seguinte tracklist:

01. Watch Me Expode
02. Edge Of Seventeen
03. LIV4EVR
04. Chain Reaction

Líder do Anvil incentiva homens orgulhosos a procurar o médico

anvil

Falando sobre a morte de AJ Pero ao jornalista Jack Antonio, o frontman do Anvil, Steve “Lips” Kudlow, deixou uma importante mensagem. “O mais triste é que ele não se cuidava, mesmo tendo problemas cardíacos e histórico familiar. Consultas regulares teriam feito toda a diferença. Há homens que são muito orgulhosos e se comportam assim, acham que basta levantar da cama e está tudo certo. Até que algo acontece. Ignorar os sinais do próprio corpo não é a opção mais inteligente. Se você tem algum problema, procure um médico”.

“Não entrei no lugar de Scott Weiland, ele já não estava lá”

chester

Em entrevista ao The Columbus Dispatch, o vocalista Chester Bennington deixou claro que não se sente ocupando o lugar de Scott Weiland no Stone Temple Pilots. “Não é como se ele tivesse saído para eu entrar. O posto já estava vago bem antes. Eles quiseram proteger o legado. Sentíamos que essa música era boa demais para ser deixada para trás”.

Destruction: 30 anos de Infernal Overkill

destruction

(lançado em 24 de maio de 1985)

A repercussão positiva do EP Sentence Of Death permitiu ao Destruction a oportunidade de registrar seu primeiro full-lenght. Ainda com o trio original (Thomas Sandmann foi o primeiro de uma série de bateristas), o grupo oferecia uma nova linguagem, que serviria de inspiração não apenas para o Thrash, mas como vários grupos que criariam o Black e o Death Metal nos anos posteriores. O visual carregado e as letras demoníacas, que hoje soam como mera brincadeira de criança tentando impressionar/assustar, faziam parte do cardápio. E não, isso não é uma crítica à banda, apenas uma constatação do que prendia a atenção do público à época. Com essa bagagem, surgiu Infernal Overkill.

Chega a ser engraçado ouvir os vocais do ainda jovem Schmier, sem a potência que alcançariam posteriormente. Há momentos que parece a dublagem tosca de um personagem em um desenho animado. Por sorte, isso não pôs o trabalho a perder. Muito pelo contrário, acabou dando uma cara toda própria à criação dos alemães. Mas é inegável que nesse aspecto, o frontman evoluiu e muito com o desenrolar da discografia. Porém, uma coisa já era certa: a potente guitarra de Mike seria o fio condutor, despejando riffs inspirados e ensandecidos – o início de “Death Trap” é daqueles momentos que vale o disco.

Outros destaques vão para a pancada certeira de “Tormentor”, a elaborada (para os padrões do grupo) “The Ritual” e a dobradinha de saideira, “Antichrist” e “Black Death”. Mas o grande clássico do trabalho veio a ser “Bestial Invasion”, presença garantida nos shows até hoje. Infernal Overkill abriu ainda mais portas para o Destruction, firmando a banda como uma das forças do ascendente cenário Thrash germânico. Mas o melhor ainda estaria por vir, especialmente na “devastação eterna”, que aconteceria logo a seguir, extinguindo o tempo da formação que deu início à história, que segue firme e forte até os dias atuais.

Marcel Schirmer (baixo, vocais)
Mike Sifringer (guitarra)
Thomas Sandmann (bateria)

01. Invincible Force
02. Death Trap
03. The Ritual
04. Tormentor
05. Bestial Invasion
06. Thrash Attack
07. Antichrist
08. Black Death

destruction

Sabaton já tem ideias para o próximo álbum

O baixista Pär Sundtröm revelou à FeMetalTV.com que o Sabaton já está pensando no próximo trabalho de estúdio. “Se tudo der certo, ele sai na metade do próximo ano. Já temos ideias, mas ainda é segredo. Vamos nos concentrar pra valer no segundo semestre”.

Detalhes do novo álbum de Frank DiMino

dimino

Old Habits Die Hard sai no dia 3 de julho, via Frontiers Records. O trabalho marca o retorno do lendário vocalista do Angel, sob produção do guitarrista Paul Crook (Meat Loaf, Anthrax). Entre as participações especiais, nomes como Oz Fox (Stryper), Eddie Ojeda (Twisted Sister), Rickey Medlocke (Lynyrd Skynyrd, Blackfoot), Pat Thrall (Asia, Hughes/Thrall) e Jeff Duncan (Armored Saint). O tracklist traz:

01. Never Again
02. Rockin’ In The City
03. I Can’t Stop Loving You
04. The Rain’s About To Fall
05. Even Now
06. Tears Will Fall
07. Mad As Hell
08. Sweet Sensation
09. Tonight’s The Night
10. The Quest
11. Stones By The River

Baixista do Fu Manchu temporariamente no Clutch

O baixista Brad Davis (Fu Manchu) está realizando os shows da atual turnê do Clutch. Ele substitui Dan Maines, que está de licença paternidade. A banda lança em setembro seu novo álbum, Psychic Warfare.