Novo lyric video do Meshuggah

“Born In Dissonance”, do álbum The Violent Sleep Of Reason.

Lita Ford ganha o She Rocks Awards

lita

O Women’s International Rock Network anunciou que Lita Ford sera condecorada com o She Rocks Awards. A homenagem é oferecida a mulheres que fizeram a diferença no mundo do Rock, quebrando barreiras e preconceitos impostos pelo mercado. A cerimônia de entrega acontece no dia 20 de janeiro, em Anaheim, Califónia.

Mulher é impedida de entrar em partido político por dizer que “fucking amava Foo Fighters”

fucking

Catherine Starr, 33 anos, foi impedida de se filiar ao Labour Party, do ex-primeiro ministro inglês Tony Blair. De acordo com o que revelou ao Daily Mall, a mulher teve como justificativa o fato de ter passado por uma investigação de suas redes sociais. O motivo foi uma postagem sua no Facebook, no dia 5 de março. Na data em questão, ela compartilhou um vídeo do Foo Fighters, com a frase “I fucking love the Foo Fighters”. Outras publicações do dia foram de um anúncio de cosméticos e um meme pró veganismo. “É bizarro como arrumam tempo para se preocupar com uma coisa dessas. Já tinha ouvido falar desse tipo de ação”, declarou Starr.

Arch Enemy já possui estimativa de quando o próximo disco deve sair

arch

O baixista Sharlee D’Angelo falou ao Metal Shock Finland sobre os prognósticos do Arch Enemy para o próximo álbum. “Devemos lançar em setembro do ano que vem. Estamos trabalhando nas músicas agora, para entrar em estúdio o mais breve possível. É uma questão de escolher as melhores”.

Slipknot tocará Iowa na íntegra em show do Knotfest

iowa

O Slipknot confirmou que seu show do dia 25 de setembro, no Knotfest, terá como atração principal a execução do álbum Iowa, de 2001, na íntegra. O evento acontece em San Bernardino, Califórnia. Para este ano, o festival uniu forças com o Ozzfest. Serão 40 shows em dois dias.

Rikki Rockett desiste de dizer que o Poison vai se reunir

rikki

O baterista Rikki Rockett revelou ao Classic Rock Revisited que estava animado para uma reunião do Poison, após ter se curado de um câncer. Porém, resolveu adotar a cautela. “Parei de ficar falando que vamos voltar. Sempre que nos empolgamos, algo vem e nos ferra. Quero que aconteça e estou bem o suficiente de saúde. Treino jiu-jitsu duas horas por dia. Um show seria uma caminhada no parquet, comparado ao que faço no tatame”.

Tecladista diz que o Rammstein já está trabalhando em novas músicas

rammstein

O tecladista Christian “Flake” Lorenz falou à Spark TV falou sobre o andamento das composições do novo álbum do Rammstein. Nos recentes shows, a banda tocou “Ramm 4”, música inédita. “Já estamos compilando ideias e desenvolvendo em conjunto. É difícil dizer quanto tempo levará para ficar pronto. Às vezes, tudo parece ir bem, mas algo dá errado e precisamos recomeçar. Portanto, não dá para projetar o que ainda precisaremos”.

Novo clipe do Lordi (Aviso: cenas fortes)

“Hug You Hardcore”, do álbum Monstereophonic: Theaterror vs. Demonarchy.

Killswitch Engage ganha álbum com versões em canções de ninar

engage

A nova edição da linha Twinkle Twinkle Little Rock Star conta com adaptações para as seguintes músicas:

01. The End Of Heartache
02. Hate By Design
03. My Curse
04. This Fire
05. A Bid Farewell
06. Strength Of The Mind
07. In Due Time

Cinema e Música

cinema

Projeto Grindhouse

(por Emi Malheiros)

O cinema apelativo está em atividade desde a década de 20. É conhecido como longa metragens que abordam de maneira mórbida e extremamente sensacionalista a temática apresentada. Com o tempo esses filmes acabaram ganhando admiradores, os quais denominaram o gênero de exploitation. Eles contêm inúmeros atrativos como efeitos especiais exagerados, sexo, violência, nudismo, sangue, destruição, entre outras bizarrices, a lista é enorme – vai por mim-. Mas, que tal tirar suas próprias conclusões sobre esse tipo de produção através do Projeto Grindhouse? A ideia produzida em 2007, escrita e dirigida por Quentin Tarantino e Robert Rodriguez, conta duas histórias paralelas: Planeta Terror e Death Proof, ambos foram lançados em DVD separadamente.

Dentro de Grindhouse, iremos conhecer Planeta terror, dirigido por Rodriguez. A película apresenta a parte uma população de uma cidade interiorana do Texas, infectada por um gás tóxico, o qual era utilizado pelo exército dos EUA, contra inimigos. O resultado é o que podemos esperar: Zumbis e um grupo de sobreviventes que tentará fugir da cidade. Veremos neste filme, um roteiro bem feito e convidativo; além de personagens extremamente caricatos, uma fotográfica excepcional, atuações de primeira e um bom humor negro. Já em Death Proof, dirigido por Tarantino, teremos muita ação com o personagem Stuntman Mike (Kurt Russell). O assassino que se esconde atrás do volante, usa o carro “indestrutível” para matar mulheres. Veremos muito girl power, personagens femininas com personalidades diferentes. Um enredo um pouco arrastado, diálogos pertinentes, panoramas de perseguição. Enalteço duas cenas: a dança provocante da personagem Butterfly (Vanessa Ferlito) ao som de Down in México, do The Coasters. E o ato final, com certeza sequências memoráveis.

Grindhouse tem uma trilha sonora distinta. Em Planeta Terror, Rodriguez é compositor da maioria das canções. Já em Death Proof, Tarantino mostra seu dom para escolher as músicas. Entre elas, It’s so easy de Willy DeVille e o blues rock da Pacific Gas And Electric ao som de Staggolee. A proposta foi bem inovadora na época, o objetivo inicial era homenagear os filmes B (trash movies/Exploitation) dos anos 70 e 80 e os cinemas de baixo orçamento americano, conhecidos como Grindhouses, os quais apresentavam filmes do gênero. Entretanto, a bilheteria ficou abaixo do esperado e o público não associou bem o conceito. Se você pensa apenas em qualidade e efeitos especiais bem utilizados, talvez esses filmes não sejam seu perfil. Agora, se tu gostas de conferir a fotografia, o enredo e as falas. Além de analisar o que pode ser realizado sem os padrões hollywoodianos, sinta-se abraçado pelo exploitation. Você irá questionar o que seus olhos irão ver. É tudo inimaginável.

Glenn Hughes lembra pior momento da vida

glenn

Em entrevista à Classic Rock, Glenn Hughes lembrou o que não lembra. Ao menos, não como gostaria. “O pior momento da minha vida aconteceu entre 1984 e 1991. Fumar crack não era algo social. Fui além dos portais da insanidade, vivia em um inferno, com alguma prostituta em um quarto de hotel, cocaína e um cachimbo. Subia nos armários e uivava como um cão”.

Novo clipe do Anthrax

“Monster At The End”, do álbum For All Kings.